SICOOB Credip firma parceria com Portal Educação


A SICOOB Credip, preocupada com a constante qualificação de seus colaboradores, firmou parceria com a empresa Portal Educação. O Portal Educação é uma das principais empresas de ensino a distancia do país. Em 2010, foi reconhecida pela revista Exame e Você S/A como sendo umas das 150 melhores empresas para se trabalhar e já foi premiada com diversos títulos. A parceria consiste na liberação, por parte do Portal Educação, de até 70 acessos mensais, durante 2 anos, a um portfólio de 50 cursos nas áreas de Administração, Gestão e Liderança.
Os cursos serão oferecidos aos colaboradores da SICOOB Credip, baseado em suas necessidades observadas nas avaliações de desempenho e no desenvolvimento das atividades diárias. Essa ação vai ao encontro dos objetivos da cooperativa previstos em seu planejamento estratégico e reforça os investimentos em capacitação que a SICOOB Credip tem realizado em seus colaboradores.

Para conhecer melhor o Portal Educação, acesse o site www.portaleducacao.com.br e siga no Twitter @PortalEducacao.

Curso de Cooperativismo em São Miguel do Guaporé


A SICOOB Credip realizou no último sábado (30/04/2011) mais um Curso de Cooperativismo. Desta vez, o curso foi realizado na cidade de São Miguel do Guaporé.
Ministrado por Alessandra Moura (Gerente de Desenvolvimento Cooperativo) e Layon Cezar (Estagiário em Desenvolvimento Cooperativo / Marketing), o curso discorreu sobre assuntos que abrangem desde o histórico do cooperativismo até dados atuais das cooperativas no Brasil e no estado de Rondônia. Além disso, os 32 participantes (entre cooperados e universitários locais) conheceram sobre as estratégias que a SICOOB Credip vem adotando para diferenciar-se no mercado e proporcionar maior desenvolvimento aos seus cooperados.
O Curso de Cooperativismo está sendo realizado em todos os locais contemplados por PAC’s da SICOOB Credip, geralmente um a cada mês. Esta ação faz parte da Unidade de Desenvolvimento Cooperativo, criada no ano passado a fim de aproximar cooperativa e cooperado, bem como desenvolver atividades para/com as comunidades em geral.
Um dos temas mais comentados ao final do curso foi da importância em desenvolver ações como esta, tanto para o cooperado quanto para a comunidade em que esta está inserida. Além disso, os participantes parabenizaram à cooperativa pelo projeto do Cooperatitude Escolar, que tem levado às escolas municipais e estaduais conhecimentos sobre cooperação.
Esperamos, cada vez mais, contar com cooperados e pessoas interessadas no cooperativismo para participarem dos nossos cursos e demais atividades desenvolvidas. Confira as fotos do curso clicando aqui.

SICOOB Credip realiza reunião em Migrantinópolis


A maior cooperativa do estado de Rondônia está ampliando sua área de atuação. Presente hoje em 17 municípios, a SICOOB Credip já possui mais de 9500 cooperados. No dia 27 de abril, membros da Diretoria Executiva da cooperativa, reuniram-se no distrito de Migrantinópolis apresentando à população informações sobre o empreendimento que em breve será instalado nesta localidade. Migrantinópolis contará com uma rede de serviços oferecidos pela cooperativa trazendo qualidade na intermediação financeira à sua população. Confira as fotos da reunião clicando aqui.

Informativo SICOOB Credip


Com o objetivo de levar informações a respeito das atividades realizadas pela cooperativa, a SICOOB Credip divulga o informativo. Nesta edição relatamos as ações dos meses de outubro, novembro e dezembro de 2010 e janeiro, fevereiro e março de 2011. Vale ressaltar os resultados da campanha “Minha Cooperativa é dez”, a Inauguração do PAC em Nova Brasilândia D’Oeste e a realização da Assembléia Geral Ordinária de 2011.
Este ano além do informativo impresso disponibilizamos também a versão em formato digital. Vale a pena conferir, acesse o link abaixo e acompanhe tudo o que a sua cooperativa está realizando.

http://migre.me/4hpEV

SICOOB Credip participa da Semana de Integração FAROL


Durante os dias 07 e 08 de abril, colaboradores da SICOOB Credip participaram da Semana de Integração da Faculdade Rolim de Moura. O evento teve por objetivo promover a integração dos cursos da faculdade com o mercado de trabalho. Durante o evento, foram oferecidas várias oficinas das mais diversas áreas de formação da FAROL.
Os colaboradores da SICOOB Credip divulgaram não só a cooperativa, mas também o movimento cooperativista no Brasil. Para mensurar o conhecimento dos acadêmicos, distribuiu-se um QUIZ entre os participantes com questões a respeito da cooperativa e do cooperativismo, sendo estes contemplados com brindes.
No último dia do evento, o professor David Bonfim, ministrou a palestra “Aprendizagem nas Organizações – Desafios para líderes e Equipes”, levando aos acadêmicos uma maior reflexão a respeito do potencial de aprendizado dos novos líderes e como se dá esse processo em equipes.

Atraídos pelas vantagens do cooperativismo


Ser cliente e dono ao mesmo tempo é uma das vantagens do cooperativismo de crédito elencadas pelo empresário Gustavo Calderaro e Silva, proprietário do Mr. Cuca que há cerca de sete anos é cooperado do Sicoob Norte do Paraná. “São inúmeros os benefícios desse sistema com relação às instituições financeiras tradicionais”, considera.

Sobras – Enquanto as despesas com taxas de serviço em bancos convencionais não retornam ao cliente, na cooperativa parte delas é compensada por meio da divisão das sobras. ”Dependendo do número de cotas, com o valor distribuído é possível cobrir todas as despesas do ano e ainda resta um excedente”, afirma Calderaro.

Maior proximidade – Outra vantagem, segundo ele, é o relacionamento mais próximo com a diretoria, o que facilita o acesso e aprovação aos serviços, como linhas de crédito, por exemplo. ”Além disso, os recursos captados pelo banco ficam na própria cidade para fomentar os negócios locais, o que desenvolve a economia”, pontua. O horário de atendimento estendido é outro diferencial positivo.

Capitalização – Na divisão das sobras realizada pelo Sicoob Norte do Paraná na semana passada, o microempresário Reinaldo Garcia da Silva, do Depósito Maria Cecília – Zona Norte de Londrina, cooperado há 10 meses, recebeu R$ 350, que já investiu na capitalização. ”Com a quantidade excessiva de impostos e contribuições que pagamos atualmente, qualquer dividendo que venha a sobrar já é lucro”, considera. Ele acredita que para esse ano o lucro será maior devido à prospecção geral da cooperativa e também porque pretende investir mais.

Cooperativismo – O conceito de cooperativismo, no qual os serviços são oferecidos em melhores condições para os associados, motivou Marcos Fabian Holzmann, da Teixeira Holzmann, a migrar do serviço bancário convencional para o Sicoob, há dois anos. ”A prática de taxas mais favoráveis e menos impactantes são outro ponto bastante positivo”, diz. Holzmann acredita que, a exemplo da Alemanha e outros países, a tendência é que em alguns anos as cooperativas ocupem grande espaço do setor financeiro.

Fonte: Folha de Londrina

Eleitos os novos conselheiros de administração da Confederação Sicoob


A Assembleia Geral Ordinária (AGO), realizada em 22/3, no Centro Corporativo Sicoob, em Brasília (DF), elegeu o novo Conselho de Administração da Confederação, reconduzindo o presidente do Sicoob Goiás Central, José Salvino de Menezes, na qualidade de presidente do referido conselho, para um mandato de três anos à frente do Sicoob Confederação.

Além do presidente foram eleitos os seguintes conselheiros, também para mandato de três anos:

Alberto Ferreira (Sicoob Central Crediminas),
Bento Venturim (Sicoob Central ES),
Henrique Castilhano Vilares (Sicoob Central Cocecrer) e
Jadir Girotto (Sicoob Central MT/MS).

As eleições deste ano resultaram na adoção da nova estrutura de governança corporativa do Sicoob Confederação, a qual consiste na existência de Conselho de Administração e de Diretoria Executiva subordinada, demonstrando perfeita harmonia com as melhores práticas de governança corporativa e, ainda, alinhamento com os modelos que estão em implantação pelas cooperativas do Sicoob.

A partir de agora o Conselho de Administração da Confederação substitui o modelo administrativo da Diretoria Colegiada, que reunia 14 presidentes das Centrais do Sicoob.
A Diretoria Executiva permanece composta por:

diretor-presidente, José Savino de Menezes
Abelardo Duarte de Melo Sobrinho, diretor de Desenvolvimento Organizacional, e
Ricardo Antonio de Souza Batista, diretor de Tecnologia da Informação (TI).

Na AGO também foram eleitos os membros do Conselho Fiscal da seguinte forma:

Efetivos – Francisco Greselle (Sicoob Central SC); Hélio de Oliveira Pinha Júnior (Sicoob Central DF); Íris Fernando de Castro (Sicoob Central Norte).
Suplentes – Luiz Ajita (Sicoob Central PR); João Feitoza Neto (Sicoob Central NE); Paulo César Gomes Guerra (Sicoob Central Cecremge). O mandato será de um ano.

Estatuto Social

No mesmo dia (22), foi também realizada Assembleia Geral Extraordinária (AGE), com fulcro específico para alteração do Estatuto Social do Sicoob Confederação. As principais mudanças dizem respeito à alteração dos princípios de governança, mediante criação do conselho de administração e do organograma da Confederação, com destaque para a Gerência de Auditoria (Geaud) e a Gerência de Controles Internos e Riscos (Gecir) que agora são subordinadas operacionalmente ao Conselho de Administração.

Fonte: Sicoob Notícias

AGO: Representação por delegados para qualificar a participação dos associados


A Revista Sicoob do mês de Março/2011 aborda o tema “Representação Legal”, abordando o voto delegado. Segue abaixo a matéria na íntegra.
Com o crescimento do segmento de crédito cooperativo brasileiro, a abordagem do tema “representação por delegados” apresenta-se bastante oportuna.

A Lei 5.764/71 faculta às cooperativas singulares, com número de associados superior a 3.000, estabelecer que os sócios sejam representados nas assembleias por delegados, sendo também permitido o seu estabelecimento em cooperativas com quadro social inferior a 3.000 associados, desde que haja cooperados residindo a mais de 50 quilômetros da sede.

Dada a vinculação inarredável entre o tema deste artigo e as boas práticas de governança corporativa, é importante relembrarmos a sempre valiosa cartilha “Governança Cooperativa – Diretrizes e mecanismos para fortalecimento da governança em cooperativas de crédito”, de autoria de técnicos do Banco Central do Brasil (Bacen).

O Capítulo 9 “Diretrizes para boas práticas de governança em cooperativas de crédito”, de autoria de Luiz Edson Feltrim, Gilson Marcos Balliana e Elvira Cruvinel Ferreira Ventura, prevê que é desejável a utilização do regime de representação por delegados em cooperativas com grande número de associados ou onde haja baixa representatividade ou pouca participação efetiva dos associados nas Assembleias Gerais. (Seção 1 – Representatividade e participação – Assembleia Geral)

Os delegados são eleitos por grupos formados por igual número de associados, preservando, assim, o princípio básico do sistema cooperativo traduzido na expressão “um associado, um voto”. Os delegados devem necessariamente ser associados da respectiva cooperativa, no gozo de seus direitos sociais, não podendo, contudo, exercer cargo eletivo na sociedade. O estatuto determinará o número de delegados, a época e a forma de sua escolha e o tempo de duração da delegação.

Não obstante tratar-se de uma faculdade, a sua instituição representa, acima de tudo, uma medida cuja razoabilidade é indiscutível, “seja em função do aspecto geográfico ou do tamanho do quadro social, seja como forma de se obter uma maior representatividade do quadro social nas assembleias.”

Quanto ao aspecto geográfico, sabe-se que a distância entre a sede da cooperativa e a residência do associado pode representar um elemento dificultador à sua participação na assembleia.

Relativamente ao quadro social das cooperativas, tem sido notório o seu crescimento, para o que contribuem fortemente a transformação em cooperativa de livre admissão de associados, bem como os próprios processos de fusão e incorporação. Por sua vez, a ampliação do quadro social pode levar ao aumento do número de associados presentes nas assembleias gerais. Se, por um lado, é muito importante a participação do associado na vida da sua cooperativa, por outro, um volume muito grande de presentes nas assembleias pode dificultar a sua organização e a sua própria condução.

Analisando, agora, sob um terceiro ângulo, ainda ocorrem assembleias cuja participação dos associados é bem pequena. Nessa hipótese, a instituição dos delegados pode ser a via para se obter uma maior representatividade do quadro social (ainda que indiretamente, mais associados estarão participando das assembleias). A análise dos pontos acima conduz-nos a uma reflexão madura sobre a importância da representação por delegados nas assembleias das cooperativas singulares como medida de sustentação empresarial fundamentada na racionalização da gestão.

Matéria de Maria Rachel Ribeiro de Oliveira Barbosa
Consultora Jurídica do Sicoob Central Crediminas

Fonte:Portal do Cooperativismo de Crédito

Organização do Quadro Social: O Que é Isso?


As cooperativas são regidas pela Lei 5.764/71 que dispõe, inclusive, sobre os órgãos administrativos, sendo que o parágrafo 1º do artigo 47 estabelece que “O estatuto social poderá criar outros órgãos necessários à administração”. Assim, a cooperativa poderá organizar grupos de cooperados para o desenvolvimento de atividades e discussão de diversos assuntos.
A organização de cooperados a fim de melhorar a representatividade destes perante a cooperativa, e o relacionamento desta para com eles é denominada Organização do Quadro Social.
De maneira geral, a Organização do Quadro Social (OQS) objetiva: conhecer as características dos cooperados, traçando, assim, o perfil de cada um e contribuindo para o atendimento ainda mais profissionalizado; manter os cooperados mais conscientes, participativos e comprometidos com a cooperativa; desenvolver habilidades dos cooperados a fim de prepará-los tecnicamente para os desafios de sua atividade; melhorar a comunicação cooperado X cooperativa; e fidelizar os cooperados a fim de fazê-los compreender que são os maiores beneficiados na cooperativa.
A Organização do Quadro Social (OQS) é um mecanismo de participação que consiste em estruturar o Quadro Social da cooperativa a fim de torná-lo mais partícipe dos processos decisórios. Além disso, com o quadro social organizado, a cooperativa está apta a desenvolver a Educação Cooperativa de forma eficiente.
A OQS pode ser desenvolvida de diferentes formas na cooperativa, tudo irá depender dos objetivos que estão sendo almejados por cada organização. Além disso, o ramo de atividade da cooperativa também poderá influenciar na estruturação e aplicação deste mecanismo. Contudo, o que não podemos esquecer é que o foco está na construção de um espaço onde os cooperados possam alcançar seu próprio desenvolvimento.
Por: Alessandra Moura

A participação enquanto estratégia de gestão


Cooperativa é uma sociedade de pessoas, com forma e caráter jurídico próprio, de natureza civil, constituidas para prestar serviços aos cooperados. Sua missão é promover a qualidade de vida às pessoas envolvidas, através do alcance de objetivos comuns abrangendo aspectos econômicos e sociais.
Não diferente de outros tipos de organizações, a cooperativa deve estabelecer uma forma eficiente de administrar seus negócios. Porém, ela deve atentar-se para a complexa relação entre cooperativa/cooperados (“cooperativa para dentro”) e cooperativa/mercados (“cooperativa para fora”). Assim sendo, a forma de gestão de uma cooperativa deverá buscar formas de garantir a participação de cooperados em suas diferentes instâncias deliberativas, de forma que estes se apropriem de conhecimentos referentes à área de atuação do empreendimento. Desta maneira, os cooperados tornar-se-ão a peça-chave para o desenvolvimento da cooperativa perante mercados competitivos, uma vez que estarão aptos a atuarem com qualidade e profissionalismo, traçando estratégias diante de seus concorrentes.
Para tanto, o primeiro passo para aproximação entre os cooperados e as atividades da cooperativa, é a criação de canais de comunicação que consigam transmitir ao cooperado a verdadeira importância de sua atuação enquanto dono do empreendimento. Além disso, a participação é o principal fator para o desenvolvimento de instrumentos administrativos que conciliem a aplicação dos princípios cooperativistas às demandas do mercado.
Com o passar do tempo, o número de cooperados aumentam e, estes, vão se distanciando da cooperativa, uma vez que o grupo torna-se heterogêneo. No entanto, para haver efetiva participação, os cooperados deverão sentir-se constantemente motivados, gerando, assim, a necessidade de que a cooperativa atualize-se perante novos objetivos, concomitantemente atendendo aos objetivos dos cooperados. Diante disso, cabe à cooperativa criar mecanismos que consigam identificar novos interesses semelhantes em grupos e/ou subgrupos, a fim de desenvolver a participação enquanto estratégia de gestão. Isto se faz possível através da criação de mecanismos que facilitem o acesso cooperado – cooperativa.
Por: Alessandra Moura